20 filmes sobre a sétima arte

De um lado, o fascínio pelo cinema e a luta para mantê-lo vivo. De outro, roteiristas em crise existencial, estrelas em decadência e brigas de ego nos bastidores das grandes produções. O cinema, vez ou outra, costuma estar na alça de mira do próprio cinema e as histórias, geralmente, estão divididas nestes dois grupos: a paixão e a derrocada.

No primeiro estão obras fascinantes como A rosa púrpura do cairo (1985), Cinema Paradiso (1988) e o recente Cine Holliúdy (2013), do cearense Halder Gomes. Somam-se a eles, os saudosistas Splendor (1989), Os sonhadores (2003) e A invenção de Hugo Cabret (2011).

O segundo grupo é mais complexo: roteiristas em crise estrelam Oito e Meio (1963) e Barton Frink (1991). A mudança do cinema mudo para falado desmanchou a carreira dos protagonistas de Crepúsculo dos Deuses (1950), Cantando na Chuva (1952) e O Artista (2011). Crises no set comprometeram as obras em A noite americana (1973) e O estado das coisas (1982).

A lista é extensa e, certamente, vocês lembrarão de mais alguns. Deixem nos comentários. Abaixo, selecionamos 20 obras sobre os encantos e desencantos da sétima arte.

Bolsas 2 Banner FECHADO

O homem das novidades (The cameraman, dir. Buster Keaton, 1928)

O homem das novidades (The cameraman, dir. Buster Keaton, 1928)
O fotógrafo Luke Shannon (Buster Keaton) se apaixona por uma bela secretária da MGM. Como o maior rival pela moça é um câmera da companhia, Luke arruma um emprego na MGM para impressioná-la, mas passa a cometer uma série de erros por inexperiência.

Contrastes humanos (Sullivan’s Travels, dir. Preston Sturges, 1941)

Contrastes humanos (Sullivan's Travels, dir. Preston Sturges, 1941)
Acostumado a dirigir comédias fúteis, um cineasta (Joel McCrea) decide fazer um filme sobre os problemas sociais, mas é desencorajado por seus produtores. Para provar o contrário, ele se veste de mendigo e vai para as ruas, para ter contato com a realidade.

Crepúsculo dos Deuses (Sunset Boulevard, dir. Billy Wilder, 1950)

Crepúsculo dos Deuses (Sunset Boulevard, dir. Billy Wilder, 1950)
Um clássico sobre decadência em Hollywood. Para fugir de uma dívida, um roterista (William Holden) se refugia na mansão de uma antiga estrela do cinema mudo (Gloria Swanson). A atriz contrata-o para revisar o roteiro que marcará seu retorno às telas.

Cantando na chuva (Singin’ in the rain, dir. Gene Kelly e Stanley Donen, 1952)

Cantando na chuva (Singin' in the rain, dir. Gene Kelly e Stanley Donen, 1952)
Em 1927, na transição para o cinema falado, o casal mais querido do cinema mudo prepara-se para rodar um musical. Mas, infelizmente, a atriz tem uma voz horrível. Uma estreante é chamada para emprestar sua voz à estrelas, mas o ator acaba se apaixonando.

Oito e meio (Otto e mezzo, dir. Fedrico Fellini, 1963)

Oito e meio (Otto e mezzo, dir. Fedrico Fellini, 1963)
Mergulhado em uma crise existencial e pressionado pelo produtor para rodar sua próxima obra, um cineasta (Marcello Mastroianni) não tem ideias para finalizar seu filme. A pressão o leva à internação, onde começa a misturar ficção e realidade.

O Desprezo (Le Mépris, dir. Jean-Luc Godard, 1963)

O Desprezo (Le Mépris, dir. Jean-Luc Godard, 1963)
Um roteirista (Michel Piccoli) vai a Roma para trabalhar em uma adaptação de A Odisseia, dirigida por Fritz Lang. Enquanto decide os detalhes para o trabalho, sua relação com a esposa (Brigitte Bardot) desaba em um jogo de paixão, ciúmes e desprezo.

A noite americana (La nuit américaine, dir. François Truffaut, 1973)

A noite americana (La nuit américaine, dir. François Truffaut, 1973)
Clássico sobre as loucuras de um set de filmagem. Um ator que fica deprimido porque sua noiva sai com um dublê, uma atriz que se entregou às bebidas e não consegue lembrar de suas falas. O diretor, por sua vez, tenta contornar tudo.

O Estado das coisas (Der stand der dinge, dir. Wim Wenders, 1982)

O Estado das coisas (Der stand der dinge, dir. Wim Wenders, 1982)
Durante as gravações de um filme em Portugal, uma equipe passa por uma série de dificuldades, como a falta de orçamento para concluir as filmagens. Além disso, o produtor desaparece, abandonando a todos por tempo indeterminado.

A rosa púrpura do Cairo (The purple rose of Cairo, dir. Woody Allen, 1985)

A rosa púrpura do Cairo (The purple rose of Cairo, dir. Woody Allen, 1985)
Durante a Depressão, uma garçonete (Mia Farrow) foge da sua triste realidade assistindo filmes. Mas ao ver pela quinta vez “A Rosa Púrpura do Cairo”, o herói sai da tela para declarar seu amor por ela.

Cinema Paradiso (Nuovo Cinema Paradiso, dir. Giuseppe Tornatore, 1988)

Cinema Paradiso (Nuevo Cinema Paradiso, dir. Giuseppe Tornatore, 1988)
Em uma pequena cidade na Sicília, o garoto Toto fica fascinado com o cinema e cria uma bela amizade com o projecionista. Anos mais tarde, Toto, já um cineasta famoso, volta à cidade e relembra sua infância. Vencedor do Oscarde melhor filme estrangeiro.

Splendor (Splendor, dir. Ettore Scola, 1989)

Splendor (Splendor, dir. Ettore Scola, 1989)
Jordan (Marcello Mastroianni) tem seu próprio cinema na Itália, chamado Splendor. Sua esposa trabalha no cinema e um amigo da família é o projecionista. Tudo parecia tranqüilo até que as pessoas passam a se desinteressar pelo cinema.

As poltronas do cine Alcazar (Les sièges de l’Alcazar, dir. Luc Moullet, 1989)

As poltronas do cine Alcazar (Les sièges de l'Alcazar, dir. Luc Moullet, 1989)
Um crítico de cinema da revista Cahiers du Cinéma frequenta religiosamente o cinema Alcazar. Até que um dia uma mulher, crítica da revista rival da Cahiers, a Positif, começa a frequentar a mesma sala.

Barton Frink, delírios de Hollywood (Barton Frink, dir. Joel Coen, 1991)

Barton Frink, delírios de Hollywood (Barton Frink, dir. Joel Coen, 1991)
Barton Fink (John Turturro) é um dramaturgo de grande sucesso e recebe o convite para escrever o roteiro para um filme B sobre luta livre. Porém, ele é atingido por um bloqueio de escritor e não consegue escrever nada.

O jogador (The Player, dir. Robert Altman, 1992)

The Player (1992)
O executivo de estúdio (Tim Robbins) pressionado por série de fracassos de bilheteria começa a receber ameaças anônimas. A obsessão pelas mensagens, o leva a cometer crimes para driblar as investigações policiais.

Dirigindo no escuro (Hollywood ending, dir. Woody Allen, 2002)

Dirigindo no escuro (Hollywood ending, dir. Woody Allen, 2002)
Woody Allen dá vida a um diretor de cinema bastante badalado nos anos 1970 e 1980, que atualmente consegue dirigir apenas comerciais de TV. Até que surge nova chance, através de um produtor, que está namorando sua ex-esposa.

Os sonhadores (The Dreamers, dir. Bernardo Bertolucci, 2003)

Os sonhadores (The Dreamers, dir. Bernardo Bertolucci, 2003)
Um jovem norte-americano (Michael Pitt) vai estudar em Paris, em 1968. Lá, conhece os irmãos Isabelle (Eva Green) e Theo (Louis Garrel). Os três se tornam amigos, dividindo experiências e a paixão pelo cinema durante a efervescência estudantil de 1968.

A invenção de Hugo Cabret (Hugo, dir. Martin Scorsese, 2011)

A invenção de Hugo Cabret (Hugo, dir. Martin Scorsese, 2011)
Hugo é um garoto de 12 anos que vive em uma estação de trem em Paris nos anos 1930. Seu pai, um relojoeiro apaixonado por cinema, morre momentos depois de mostrar a Hugo sua descoberta: um autômato, espécie de robô que lhe escreveria uma mensagem.

O Artista (The Artist, dir. Michel Hazanavicius, 2011)

O Artista (The Artist, dir. Michel Hazanavicius, 2011)
George Valentin é um consagrado ator do cinema mudo a quem todos idolatram. A chegada dos filmes sonoros, porém, vai mergulhá-lo no esquecimento. Peppy Miller, jovem figurante, em contrapartida, será alçada ao status de grande estrela.

Cine Holliúdy (Cine Holliúdy, dir. Halder Gomes, 2013)

Cine Holliúdy (Cine Holliúdy, dir. Halder Gomes, 2013)
No interior cearense, em meados dos anos 1970, Francisgleydisson é um pequeno exibidor que luta para manter sua sala aberta, a despeito da chegada das TVs. Após fracassar em uma cidade, ele e sua família se mudam, onde encontra uma plateia bastante pitoresca.

Mapas para as estrelas (Maps to the stars, dir. David Cronenberg, 2014)

Mapas para as estrelas (Maps to the stars, dir. David Cronenberg, 2014)
Havana (Julianne Moore) é uma atriz que sonha em fazer um remake do filme que consagrou sua mãe, Clarice. No submundo das paranóias de Hollywood, Havana convive com personagens estranhos, como uma ex-incendiária irmã de um superastro infantil.

Cinema Europeu Banner FECHAD

Comentários
, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *